quarta-feira, 28 de abril de 2010

O mais vendido da semana

Mais Vendidos:

1 - Tributo a Jacinto Silva - Vários - Independente
2 - Eu menti pra você - Karina Buhr - Independente
3 - Mundialmente anônimo - Maquinado - Independente
4 - Melhor assim - Teresa Cristina - EMI
5 - Alborada do Brasil - Carlos Núñez - Sony
6 - Todo Domingos - Flávia Bittencourt - Independente
7 - Balaio de amor - Elba Ramalho - Biscoito Fino
8 - Pixinguinha popular - Orquestra Sinfônica do Recife - Rob
9 - Baião erudito - Nonato Luís - Independente
10 - Estrela brilhante - Erasto Vasconcelos - Independente

Fonte: Passa Disco (81 3268.0888)

Diário de Pernambuco, 28 de abril de 2010

Hoje, no Jornal do Commercio (PE)

Capa do Caderno C


MÚSICA


Artistas se unem para reviver Jacinto Silva


José Teles
teles@jc.com.br


Falecido há nove anos, quando começava ter seu talento reconhecido por outras gerações, Jacinto Silva recebe agora um tributo à altura do papel que desempenhou na música brasileira, em geral, e na nordestina, em particular. Jacinto Silva no coração da gente, um CD em que nomes feito Tiago Araripe, Xangai, Josildo Sá, Tom Zé, Isaar, Silvério Pessoa, Caju e Castanha e Elba, para citar apenas alguns, participam, é uma homenagem ao forrozeiro alagoano, que morou a maior parte e sua vida em Pernambuco. O lançamento será amanhã, às 19h, na loja Passa Disco, no Shopping Sítio da Trindade, com participação de artistas que estão no projeto e entrada gratuita.

No coração da gente é uma edição de luxo, com um encarte de 48 páginas e apresentação criativa, nada destas capas mambembes, quase norma na maioria dos discos de forró. Na contracapa, uma curiosidade: não há nada nela que indique ter sido o álbum realizado com incentivos governamentais. O trabalho foi gravado no estúdio Muzak, sob o selo Candeeiro. A Link, que aparece nos créditos, é uma agência de propaganda, com sede na Bahia e escritório no Recife, desde 2006. Edson Barbosa, seu presidente, um baiano de Irará, costuma bancar projetos ligados à cultura. Em discos, especificamente, foi responsável pelo elogiado Cóccix até o pescoço, de Elza Soares: “Gosto de fazer estes projetos com uma coisa bem nossa. Há anos fiz um trabalho com Jacinto, e então caiu a ficha. Um disco com as músicas, de um alagoano, pernambucano por opção”.

Tiago Araripe é um músico cearense que, nos anos 70, militou no udigrudi recifense, no coletivo Nuvem 33. Em seguida, em São Paulo, foi da banda Papa Poluição, gravou disco solo pela Lira Paulistana e foi parceiro de muita gente boa, entre outros, de Tom Zé. De volta a Pernambuco, como publicitário, Araripe continua envolvido em música e foi o responsável pele seleção de repertório do CD, que prima por músicas menos conhecidas, mas nem por isso inferiores aos clássicos de Jacinto Silva (que também estão presentes). O próprio Jacinto Silva canta no disco Teste de cantor, num dueto com Silvério Pessoa (extraído do último disco do forrozeiro).

Da tiragem do disco, pouco será comercializada: “A matriz original foi cedida à família do cantor. Vamos dar como brinde, não visamos lucro, foi também uma homenagem a Pernambuco, que tão bem nos acolheu”, diz Edson Barbosa.

Jornal do Commercio, 28 de abril de 2010

Hoje, no Diário de Pernambuco

Capa do caderno Viver.

Cancioneiro de Jacinto



DISCO


Criações do compositor que fez história em Caruaru são reunidas em álbum tributo, que será lançado amanhã.


Michelle de Assumpção
michelleassumpao.pe@dabr.com.br

Jacinto Silva faz parte do primeiro time de compositores do forró, mais precisamente do coco de embolada. Começou a cantar ainda adolescente, forrós e cocos. Depois não teria problema em admitir que Jackson foi sua escola. Foi com ele que Jacinto aprendeu a dividir o ritmo, mas confessava que, quando Jackson cantava uma música, poderia dar três versões para a mesma, cada uma com uma divisão diferente. Já ele dizia que conseguia cantar no máximo com duas divisões.

Nascido em Palmeira dos Índios (Alagoas), Jacinto foi morar em Caruaru em 1958, onde ficou até o final de vida. Viajava por todo Brasil - muitas vezes participou de caravanas ao lado dos seus "mestres" Jackson e Luiz Gonzaga-, mas era para Caruaru que voltava sempre. E por isso não teve a fama dos dois primeiros. O peso da sua obra, porém, está cada vez mais evidenciado.

Amanhã, a loja Passa Disco (Shopping Sítio da Trindade) sedia a festa de lançamento de um disco tributo a Jacinto. O álbum, quetem dezesseis faixas e intérpretes diferentes, foi idealizado pela agência Link Comunicação, cujo presidente Edson Barbosa era amigo da família de Jacinto. Parte da tiragem ficará com a família. A outra será entregue a clientes da agência e uma terceira comercializada. "A tiragem é limitada, o objetivo era expandir ainda mais a obra de Jacinto para o público, além dos próprios cantores que nunca haviam gravado suas composições", conta Tiago Araripe, que cuidou da produção musical. O CD foi feito em parceria com Estúdio Muzak e selo Candeeiro Records. As músicas podem ser ouvidas no perfil de Jacinto Silva no Myspace.

Faixas

O disco é aberto pelo maestro Spok, que canta em Aboio de um vaqueiro. Tem Margareth Menezes, que já havia gravado Jacinto em Aquela rosa. E também Caju e Castanha (Moleque de rua), Maciel Melo (Plantação), Isaar França (É tempo de ciranda), Josildo Sá (Filosofia do forró), Xangai - amigo e cantador antigo das coisas de Jacinto - presente em Pisa maneiro, Aurinha do Coco (Fonte de luz), entre outros. Tom Zé, que não conhecia a obra de Jacinto, topou gravar Coco do gago. A música tem uma ludicidade e criatividade que combinaram com o estilo de Tom Zé. Elba, que também nunca havia gravado Jacinto, gostou tanto de Gírias do Norte que pediu para incluir a música em seu próximo CD.

O intérprete mais privilegiado do disco se chama Silvério Pessoa que gravou, no ano 2000, um disco inteiro com músicas de Jacinto, chamado Bate o mancá. Para a coletânea tributo, Silvério selecionou Teste para cantador, cujos vocais divide com Jacinto. A música foi tirada do disco do coquista, Só não dança quem não quer, lançado em 2000, no mesmo ano e mesmo estúdio (do músico Zé da Flauta) que Silvério fez Bate o mancá. "Ele gostava muito dessa música", lembra Silvério. E recorda que gravar Jacinto era um projeto que tinha ainda com a banda Cascabulho, e que só conseguiu realizar no seu primeiro disco solo.

"O disco, tudo que fiz com Jacinto, foi ao lado dele. Por isso não é um disco homenagem como dizem, foi umaparceria. Eu ia para Caruaru, ele vinha pro estúdio. Opinou tudo comigo. Minha tristeza é que ele não alcançou o disco lançado", resume o músico. Jacinto Silva faleceu em fevereiro de 2001, tendo gravado 24 discos, entre 78rpm e LPs, e dois CDs. Não teve, como Jackson do Pandeiro, intérpretes e defensores poderosos como Gilberto Gil ou Caetano Veloso. Mas ainda hoje artistas que se encantam com sua música. É um compositor ainda a serviço da cultura popular.

Diário de Pernambuco, 28 de abril de 2010

terça-feira, 27 de abril de 2010

Programa "Forró e Ai", na Rádio Folha, dedica edição ao CD "No coração da gente"

Da esquerda para a direita: Lina Fernandes, Tiago Araripe, Josildo Sá, Fábio Cabral e Xico Bizerra.

Há poucas horas participei do programa Forró e Ai, na Rádio Folha de Pernambuco, conduzido pela jornalista Lina Fernandes e o compositor Xico Bizerra. Realizada ao vivo, a edição de hoje foi dedicada ao CD Jacinto Silva. No coração da gente e ao seu lançamento na loja Passadisco, na próxima quinta-feira, 29.

Aliás, o lançamento reabrirá a programação de eventos da Passadisco - involuntariamente interrompida desde o ano passado.

Participaram do Forró e Ai Josildo Sá, intérprete da faixa Filosofia do forró no tributo a Jacinto, e Fábio Cabral, da Passadisco.

Na programação de quinta-feira, além da presença de artistas do disco como Josildo, Petrúcio Amorim, Maciel Melo, Spok, Isaar, o grupo Flor de Cactus e eu, haverá apresentação de crianças do Projeto de Iniciação Musical Jacinto Silva, de Caruaru, e exibição de vídeo que mostra os bastidores das gravações do CD e depoimentos de pessoas envolvidas com o trabalho.

Para ouvir a edição do programa Forró e Ai, clique aqui.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Link entrega CD à família de Jacinto Silva

Edson Barbosa, D. Lieta e Tiago Araripe (Fotos: Sued Oliveira)

(Retransmitido do Blink - O blog da Link)

Uma comissão da Link, liderada por Edson Barbosa, entregou 500 exemplares do CD No coração da gente à família de Jacinto Silva, em Caruaru. Os irmãos João Bosco e Marcelo Queiroz, que representaram a família de Jacinto na questão dos direitos autorais, organizaram uma recepção para registrar a entrega. Entre os presentes, a ex-companheira de Jacinto, D. Lieta, e a filha do casal, Penha Silva, além do compositor Onildo Almeida, amigos e admiradores do artista.

Onildo, com ativos 82 anos de idade, é autor de algumas faixas do CD lançado pela Link, como Justiça Divina (primeira música gravada por Jacinto Silva no selo recifense Rozemblit), É Tempo de Ciranda e Gírias do Norte (esta, em parceria com Jacinto). São apenas alguns exemplos de uma obra extensa, de mais de 500 composições gravadas - inclusive grandes sucessos na voz de nomes como Luiz Gonzaga, Marinês e o próprio Jacinto Silva.

Onildo Almeida, D. Lieta, Maria da Penha

Edson Barbosa lembrou o que primeiro motivou o projeto da agência: de um lado, o desejo de auxiliar a família de um amigo; de outro, o reconhecimento a um grande expoente da cultura pernambucana que merece ser resgatado e valorizado.

A opinião é compartilhada por Sued Oliveira, diretora da Link Recife: “Iniciativas como esta resgatam grandes nomes da cultura pernambucana que não podem ser esquecidos”, disse ela. “O trabalho feito, carinhosamente, por todos os artistas que participaram mostra como a obra de Jacinto é atual”, complementou.

Para Marcus Soares, diretor de atendimento da Link destacado para o projeto do CD, a iniciativa da Link é “uma demonstração de generosidade que, em todas as fases do trabalho, moveu as pessoas numa extensa rede de contatos e fez o disco acontecer”.

No encontro em Caruaru, pudemos ouvir da D. Lieta histórias da peleja de vida de Jacinto para exercer o seu ofício de cantor e compositor, bem como as lembranças de Onildo Almeida sobre o parceiro de tantas horas. Para ele, o novo disco atualizou as músicas do repertório de Jacinto Silva, aproximando-o das novas gerações.

Malu Oliveira/Tiago Araripe

Disco para celebrar Jacinto Silva

Quinta, 22 de Abril de 2010

MÚSICA

Disco para celebrar Jacinto Silva

Discípulo direto Jackson do Pandeiro, o alagoano de Palmeira dos Índios Jacinto Silva, falecido em 2001, é mais um dos tantos compositores injustiçados sob o olhar do que seria, de fato, a música nordestina. Para muitos, houve um pulo de Luiz Gonzaga direto para a produção da década de 1980, que deu ao País nomes como Zé e Elba Ramalho, Fagner, Amelinha, entre outros. Com a carreira iniciada em 1963, com a canção “Justiça Divina” no 78rpm do selo Mocambo, Jacinto construiu um rico repertório para o cancioneiro nordestino.

Parte dessas canções formam “Jacinto Silva - No Coração da Gente”, disco tributo idealizado pelo presidente da Link, Edson Barbosa, e com direção geral de conteúdo e produção de Tiago Araripe. A bolacha conta com 16 músicas, interpretadas por artistas consagrados como Elba Ramalho, Maestro Spock, Tom Zé, Margareth Menezes, Isaar e o próprio Tiago. O disco já está à venda na loja Passa Disco e custa R$ 37,90. No próximo dia 29, ocorre na loja seu lançamento oficial.

“Garimpar, para este disco, composições representativas do universo sonoro e poético de Jacinto Silva é se arriscar a deixar de fora muitas pepitas preciosas. Porém assumimos o risco, na tentativa de mostrar a diversidade sonora e poética do repertório do compositor”, explica Tiago Araripe. No texto de apresentação no encarte do trabalho, Tiago elenca quatro vertentes fundamentais da poética musical de Jacinto: a bem humorada (presentes em “Gírias do Norte” e “Filosofia do Forró”), o reflexo dos valores do povo nordestino (como em “Aboio de um Vaqueiro”, “Teste para Cantador” e “Moleque de Rua”), a sentimental (“Aquela Rosa”, “Cante Cantador”) e a espiritual (com “Justiça Divina”, “Imaginação” e “Fonte de Luz”).

Tiago aponta também que o convite a artistas de diferentes vertentes da música popular também é uma forma de traduzir o ecletismo do trabalho de Jacinto Silva. “De Aurinha do Coco a Tom Zé, de Spok a Caju e Castanha, a tradição e a inovação convivem pacificamente. A ideia é que a obra de Jacinto Silva possa ser ouvida por diversos ângulos”, arremata.

Lançamento no Recife

Arte: Marcelo Barreto

Marcado o lançamento do CD Jacinto Silva. No coração da gente, a imprensa pernambucana começa a se manifestar. É o caso da nota publicada hoje no Jornal do Commercio:

Jacinto Silva

A loja Passa Disco (Shopping Sítio da Trindade) volta a promover eventos lançando, na próxima quinta-feira, às 20h, o CD No coração da gente: tributo a Jacinto Silva. Participam do álbum Tom Zé, Spok, Xangai, Silvério Pessoa, Maciel Melo, Isaar, Petrúcio Amorim, Aurinha do Coco, Tiago Araripe, Margareth Menezes, Josildo Sá, entre outros.


Jornal do Commercio, 23 de abril de 2010 ("Rec Beat" - Marcos Toledo)

terça-feira, 20 de abril de 2010

Mais do programa sobre Jacinto Silva

Petrúcio Amorim, Edson Barbosa, Tiago Araripe e Wagner Gomes, em foto de Fabiana Galvão (Executiva Press).

Nota veiculada ontem no Blink - o blog da Link:

19 de abril de 2010 | 19:58

Uma roda de amigos em homenagem a Jacinto Silva

Uma roda de amigos rendendo homenagem ao grande mestre da cultura nordestina, Jacinto Silva. Foi esse o clima do debate da Rádio Jornal do sábado passado (17/04), que teve o comando do comunicador Wagner Gomes. O tema foi a vida e obra de Jacinto Silva (1933/2001) e a homenagem feita ao forrozeiro no CD Jacinto Silva. No Coração da Gente, que está sendo lançado pela Link Comunicação & Propaganda em parceria com a Candeeiro Records. Participaram do debate Edson Barbosa, presidente da Link, o produtor do disco, Tiago Araripe, e o cantor e compositor Petrúcio Amorim.

“Foi uma grande alegria e prazer participar deste CD, pela história, pela grandeza, pelo professor que foi e é o mestre Jacinto Silva. Um artista do povo, que merece esta homenagem. Não é à toa que suas músicas continuam na boca do povo”, diz Petrúcio Amorim. Além de Petrúcio Amorim, participam do CD Elba Ramalho, Maestro Spok, Margareth Meneses, Silvério Pessoa, Maciel Melo, Josildo Sá, Aurinha do Côco, Caju e Castanha, Flávia Wenceslau, Flor de Cacto, Isaar França, Petrúcio Amorim, Targino Gondim, Tiago Araripe, Tom Zé e Xangai.

“Fiquei muito emocionado com o diálogo que se estabeleceu entre eu, Tiago, Petrúcio, Wagner e o público, que deu uma resposta muito positiva e até emocionada com o conteúdo do programa”, lembra Edson Barbosa. “É uma honra resgatar a obra de um artista que estava esquecido e que tem uma importância singular para a cultura de Pernambuco, do Nordeste e do Brasil”.

Durante o programa, Wagner Gomes veiculou para os ouvintes músicas em sua versão original, nas gravações de Jacinto, intercaladas pelas faixas gravadas no CD que está sendo lançado pela Link e a Candeeiro Records. “Achei bem interessante este formato, pois permitiu ao ouvinte comparar a nova versão, que traz um novo arranjo e novas releituras, com a versão original”, explica Tiago Araripe.

A esposa de Jacinto Silva, Maria Lieta, escutou o programa com a filha, Penha Silva, em Caruaru onde residem até hoje, e muito emocionadas, ligaram para a produção para agradecer a homenagem que estava sendo feita. “Ficamos muito emocionadas em ver o reconhecimento do trabalho do meu pai e ouvir pessoas tão boas cantando as músicas dele. Ficamos maravilhadas”, declarou Penha. Wagner Gomes leu depoimento das duas no ar.

Postado por Debora Ramalho - Executiva Press

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Homenagem a Jacinto Silva em programa especial na Rádio Jornal, de Pernambuco

Na foto (Fabiana Galvão): Tiago Araripe, Wagner Gomes, Edson Barbosa e Petrúcio Amorim.

Neste sábado, 17, participamos de programa especial de Wagner Gomes na Rádio Jornal. O tema: Jacinto Silva e a homenagem feita ao grande forrozeiro no CD No coração da gente.

Além de tocar faixas do disco alternadas com gravações originais do próprio Jacinto, o programa analisou a importância do compositor e intérprete - alagoano de nascimento e pernambucano por adoção -, além de revelar detalhes do novo disco produzido pela Link Comunicação e Propaganda, em parceria com a Candeeiro Records.

A presença de Petrúcio Amorim, importante nome da música regional pernambucana e um dos artistas integrantes do CD Jacinto Silva. No coração da gente, deu brilho especial ao bate-papo.

Em breve, o programa da Rádio Jornal poderá ser ouvido aqui. Aguarde.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Jacinto Silva no MySpace

Foto: Arquivo da família.

Algumas faixas do novo CD Jacinto Silva. No coração da gente já podem ser ouvidas pela internet. É só conferir no link do disco no MySpace, clicando aqui.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Ficha técnica

Página do encarte. Foto e projeto gráfico: Marcelo Barreto.

Aqui, as informações técnicas referentes ao CD Jacinto Silva. No coração da gente, que será distribuído a partir do próximo dia 19 de abril.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

CD "Jacinto Silva. No coração da gente" saindo da fábrica

Contracapa do CD, projeto gráfico de Marcelo Barreto.


O disco tributo a Jacinto Silva sai da fábrica nos próximos dias. Acompanhe aqui os detalhes da produção e a repercussão na mídia.